Covid-19 -Manter a saúde financeira também se torna um desafio

Covid-19 e a saúde financeira

Em meio a uma enxurrada de informações desencontradas sobre a real gravidade da situação imposta a nós pelo novo Coronavirus, a preocupação com a saúde financeira torna-se inevitável.

Alguns defendem o confinamento, já outros a retomada normal do trabalho.

O fato é que ninguém quer apostar com a vida ou ainda contaminar outras pessoas, principalmente as que amamos, para descobrir até onde seremos impactados por essa doença.

Porém a instabilidade financeira e a preocupação com desemprego e economia assombram quase tanto quanto o risco de adoecer.

Com tantas incertezas, algumas pessoas realmente adoecem, não pelo vírus, mas pela preocupação.

E por incrível que pareça, algumas instituições financeiras podem tentar tirar proveito da situação para angariar mais lucro com a prática de juros abusivos.

Dessa forma, o mais correto é sempre basear-se em informações oficiais e evitar a propagação de noticias falsas, as chamadas “fake news”.

Assim, preparamos esse artigo visando trazer notícias financeiras de fontes oficiais e ao mesmo tempo alertar o consumidor para evitar cair em armadilhas que podem dificultar ainda mais sua situação.

Medidas oficiais do CMN e do Banco Central do Brasil

Medidas oficiais COVID-19

 

Para quem não sabe, o Banco Central do Brasil – Bacen – é uma autarquia responsável por garantir que a economia brasileira fique estável, regulando o sistema financeiro com intuito de manter o poder de compra de nossa moeda.

Assim, uma das principais funções do Bacen é autorizar as instituições credoras a funcionarem e também fiscalizá-las.

Em suma, todas as decisões tomadas pelo Bacen influenciam diretamente nossa vida financeira, como negociações, investimentos, moedas estrangeiras, crédito e preço.

Já o CMN (Conselho Monetário Nacional) é o órgão que cria e regulamenta as diretrizes do Sistema Financeiro Nacional.

Na prática, o CMN divulga as regras gerais para o funcionamento de todo mercado financeiro, sendo o Bacen a entidade que executa essas regras, fiscalizando e regulamentando as atividades bancárias.

Dadas as explicações, o CMN divulgou na última semana algumas medidas para ajudar a economia brasileira a enfrentar os efeitos do COVID-19.

A primeira medida facilita a renegociação de operações de crédito de empresas e famílias que possuem boa capacidade financeira e estejam em dia com os pagamentos.

Com isso os bancos não precisarão alterar suas expectativas de perdas oriundas dessas renegociações pelos próximos seis meses.

Na prática essa medida visa disponibilizar R$ 3,2 trilhões em crédito, sendo necessária manifestação de interesse pelas partes, ou seja, negociação entre banco e financiado.

A segunda medida visa aumentar a capacidade de uso do capital pelos bancos para que eles tenham melhores condições para as renegociações citadas na primeira medida.

Dessa forma, estima-se um aumento na capacidade de concessão de crédito em torno de R$ 637 bilhões, dinheiro esse que os bancos obrigatoriamente teriam que deixar separado como “colchão de segurança”, e agora podem utilizá-lo para as concessões de crédito.

O que os Bancos estão fazendo para amenizar a crise?

CoronavirusCom as medidas anunciadas pelo CMN e Bacen que elencamos, a Federação Brasileira dos Bancos e seus cinco maiores bancos anunciaram como utilizarão essas medidas para estimular a economia e amenizar os efeitos do COVID-19 no emprego e na renda.

Assim, Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander se comprometeram a atender pedidos de prorrogação por 60 dias do vencimento de dívidas de clientes pessoa física e micro e pequenas empresas.

Ou seja, o prazo de congelamento das parcelas somente pode existir tendo em vistas as manobras do CMN.

Apesar de cada instituição definir suas próprias regras em relação à prazo e condições, é necessário que os contratos estejam com pagamento em dia na maioria dessas instituições.

De acordo com a Febraban, essa medida se estende a todos os contratos realizados pelo cliente junto ao banco, com exceção às dívidas de cartão de crédito e cheque especial.

Contudo o consumidor deve ficar atento.

Como as renegociações são individuais, diferentemente do que se pensa, bancos podem (e vão) cobrar juros pelo período do congelamento, mantendo-se as mesmas taxas pactuadas apenas sem cobrança de multa.

Banner Juros Abusivos

Ou seja, além de terem o incentivo proveniente das medidas do CMN executadas pelo Bacen, ainda cobrarão juros pelo prazo estendido.

Por esse motivo o consumidor deve ficar atento se para ele vale ou não a pena solicitar esse “congelamento”, vez que o valor será recalculado com juros pelo período do congelamento.

Além disso o consumidor pode sofrer juros de carência, ou seja, juros cobrados da data de início da liberação do crédito até o início de pagamento das parcelas.

Essa prática lesa o consumidor, sendo entendida como abusiva por muitos tribunais.

Para aqueles que realmente precisam de mais prazo, elencamos abaixo as regras gerais de cada uma dessas instituições :

Caixa Econômica Federal

A Caixa oferece pausa de até 60 dias para pagamento das parcelas de CDC, Crédito Pessoal e Microcrédito.

Dos 5 bancos que adotaram essa medida, é a única que tolera atraso de até 19 dias, mas exige que ao menos 11 parcelas estejam quitadas.

Para fazer a solicitação, os correntistas poderão acessar o aplicativo da Caixa ou fazê-lo via Chat disponibilizado no site do banco.

Ainda segundo a Caixa, os juros serão recalculados e acrescidos ao saldo devedor do contrato.

Dessa forma, o cliente fará o pagamento desse valor de forma diluída ao longo das demais parcelas.

Em suma, o valor da parcela será acrescido de juros calculados pelo prazo solicitado de congelamento, diluindo-se os valores nas demais parcelas contratadas, ou seja, além dos juros normais, haverá mais juros pelo tempo de paralisação dos pagamentos.

Banco do Brasil

Até esta data o site do Banco do Brasil não apresenta informações sobre como proceder com a solicitação de prorrogação do prazo para pagamento de dívidas.

Sabe-se que além da prorrogação do prazo mantendo-se as taxas de juros, o banco esta ofertando uma linha especial de nova concessão de crédito tanto para pessoa física quanto para empresas, conforme anúncio feito pela própria instituição.

O valor total dessas linhas chegam a R$ 100 bilhões.

Para maiores detalhes o consumidor deverá tratar diretamente com representantes do banco.

Saúde Financeira

Banco Itaú

Tanto pessoas físicas quanto empresas também poderão solicitar a prorrogação do prazo de pagamento por 60 dias, seja para empréstimo pessoal quanto para capital de giro.

Já em relação a imóveis e veículos a prorrogação contempla a mesma taxa de juros porém sem cobrança de multa, segundo a própria instituição.

A condição para a solicitação é estar com as parcelas em dia.

Santander

Única instituição até o momento que disponibilizou um hotsite com informações sobre a prorrogação.

Apesar de não haver detalhes sobre a forma de cobrança e pagamento, o banco também informa que as taxas de juros serão mantidas havendo isenção de multa para quem solicitar a extensão do prazo.

Ainda de acordo com o banco, apenas produtos contratados na própria agência é que estão contemplados.

Ou seja, contratos de financiamentos efetuados em canais digitais ou pelo Santander Financiamentos (Aymoré) não estão contemplados até o momento.

O Banco também exige estar em dia com as parcelas.

Bradesco

O Bradesco também esta disponibilizando a prorrogação do prazo mantendo-se as taxas de juros e isentando o pagamento de multas, porém sem muitos detalhes.

Também exige que os pagamentos estejam em dia para validação da proposta

 

O que a Reis Revisional pode fazer por você?

Reis RevisisionalA crise sem precedentes imposta pelo Coronavirus fez com que o Governo Federal decretasse estado de emergência em todo país.

Além disso, no Estado de São Paulo onde a Reis Revisional esta situada, há determinação de quarentena inicialmente até 07/04/20.

Cumprindo não somente com as determinações superiores, mas também em acordo com sua responsabilidade social, a empresa Reis Revisional opera normalmente em regime “Home Office”.

Isso significa que a empresa esta preparada para atender todos os cidadãos de nosso país que estão sendo lesados por cobranças abusivas em contratos bancários.

Dessa maneira, o atendimento aos clientes esta sendo realizado a distância via atendimento telefônico, email, video conferência ou aplicativo whatsapp.

Detentora de uma política de qualidade ativa, inclusive com certificação através da norma ISO 9001, a Reis Revisional possui todos os seus processos devidamente mapeados a fim de proporcionar a melhor experiência aos seus clientes.

Com corpo de profissionais altamente qualificados, a empresa esta preparada para ajudar a preservar sua saúde financeira nesse momento tão complicado.

Dessa maneira, antes de assinar quaisquer aditivos de renegociação de dívidas bancárias de qualquer espécie, fale com a gente.

A Reis Revisional já proporcionou economia financeira real a milhares de brasileiros na luta contra a prática de juros abusivos no Brasil.

Entre nessa luta conosco e seja mais um cliente satisfeito com a Reis Revisional, líder em revisão de contratos.

Preencha agora mesmo o Cálculo Revisional e diga adeus aos juros abusivos

 

Willian dos Reis
Willian dos Reis
Co-fundador da empresa Reis Revisional, consultoria especializada na luta contra a cobrança de juros abusivos no Brasil, gerando economia financeira e proporcionando o equilíbrio nas relações de consumo entre seus clientes e Bancos e Financeiras. Condecorada pela LATIN AMERICAN QUALITY INSTITUTE na categoria de Consultoria Financeira, foi premiada por sua preocupação na gestão da qualidade com certificação emitida pela LAQI, reconhecida pela ONU.

Qual sua opinião? Deixe um Comentário

avatar
 
smilegrinwinkmrgreenneutraltwistedarrowshockunamusedcooleviloopsrazzrollcryeeklolmadsadexclamationquestionideahmmbegwhewchucklesillyenvyshutmouth
  Inscreva-se  
Notificação de