Juros abusivos de veículo

Como ficar longe dos juros abusivos de veículo

Ficar longe dos juros abusivos de veículo é uma tarefa difícil no Brasil, que pratica uma das maiores taxas de juros do mundo.

Isso porque conquistar o tão sonhado carro particular muitas vezes envolve um financiamento bancário, onde quase sempre é efetuado pelo  “contrato de alienação fiduciária”.

Esse tipo de contrato coloca o bem alienado, ou seja, o veículo, como garantia do pagamento da dívida.

Isso significa que o credor que concederá o empréstimo poderá, mediante uma ação de busca e apreensão de veículo, retomar o bem em caso de inadimplência nos pagamentos.

Decerto que a alienação do bem é um fator de garantia que visa justamente a redução dos valores cobrados a título de juros.

Contudo, na prática não é bem assim que funciona.

Na maioria das vezes, o valor pago nas parcelas se tornam elevados graças a cobrança de juros abusivos de veículo.

Dessa forma, a pessoa compra um carro e acaba pagando por dois.

Assim, elencamos abaixo algumas medidas preventivas para evitar o pagamento de juros abusivos de veículo em contratos de financiamento bancário, inclusive quando o contrato já foi assinado e esta em vigor.

Financiar veículo sem cobrança de juros abusivos é possível?

carro com juros abusivos

Não pagar juros em financiamentos não é possível, aliás, é justo que o credor receba um valor pelo empréstimo de dinheiro,  e claro, pelo risco de sofrer inadimplência com os pagamentos.

Contudo o problema aparece quando esse valor cobrado a título de ágio é desproporcional ao valor do empréstimo.

A saber, a cobrança de juros abusivos de veículo figura dentre um dos principais vilões da economia, ainda mais no cenário atual agravado pela crise no sistema de saúde em relação ao COVID.

De acordo com o site do Bacen, Banco Central do Brasil, cada modalidade de empréstimo possui divulgação de uma taxa de juros média, praticada pelas instituições.

Com base nessa taxa é possível começar a identificar a cobrança de juros abusivos de veículo e de outras modalidades de empréstimos, como cobrança de juros em cartões de crédito, financiamento imobiliário, empréstimos pessoais, capital de giro, etc.

Porém, os abusivos cometidos por credores vão além simplesmente da taxa.

Em muitos contratos bancários, há cobrança embutida de tarifas, onde na maioria das vezes o consumidor sequer é avisado sobre essa cobrança.

Além disso, existem abusos em relação a forma como os juros são calculados.

Juros abusivos de veículo podem ocorrer pela chamada “capitalização dos juros”, ou popularmente conhecido como “juros sobre juros”.

Esse método desenvolvido na França por Richard Price, consiste na elaboração de um plano de amortização da dívida em parcelas periódicas, iguais e sucessivas, em que o valor de cada prestação é formado por duas partes distintas, a saber, uma parte para pagamento de juros e a outra de capital, denominada também de “amortização”.

Conhecido no Brasil como “Sistema Price de Amortização”, é utilizado amplamente pelos credores na concessão de empréstimos justamente porque nele os juros são aplicados de forma composta, capitalizando-os mensalmente (período/período) como forma de remuneração do capital, gerando maior lucratividade na operação.

Portanto, no momento da assinatura do contrato, é necessário ficar atento às dicas abaixo para evitar a cobrança de juros abusivos de veículo e também de outras modalidades de empréstimos em geral:

1 – Leia atentamente o contrato antes de assinar

Sabemos que é difícil conter a empolgação na hora de comprar o carro ou o imóvel tão desejado

Entretanto, assinar documentos sem uma leitura minuciosa é muito ruim para o bolso de qualquer pessoa, que pode facilmente se tornar uma vítima de juros, inclusive juros abusivos de veículo.

Após a assinatura do contrato de financiamento ou do contrato de adesão (no caso de cartões de crédito e cheque especial) a única saída contra a cobrança abusiva será uma revisão do contrato, que pode ser feita por um profissional especializado a fim de ser eficiente.

No Brasil, a Reis Revisional é líder em revisão de dívidas bancárias e já proporcionou economia a milhares de brasileiros, com redução mínima da metade do valor do débito.

Dessa forma, é altamente indicado ler o contrato e se certificar que não há nenhuma armadilha escondida nas “linhas pequenas”, principalmente em relação à cobranças abusivas de juros.

Muitas vezes bancos e financeiras embutem seguros, tarifas de cadastro ou terceiros além de inúmeros outros serviços sem informar ao consumidor, proporcionando um aumento significativo no valor total do débito.

Ler o contrato é uma boa saída para evitar esse tipo de situação.

2 – Faça uma pesquisa de mercado para identificar a melhor taxa e evite juros abusivos de veículo

É uma dica básica, porém eficaz contra abusos bancários.

Na hora de fazer um financiamento, pesquisar dentre as diversas opções de mercado pode surpreender o consumidor.

Em alguns casos, a taxa de juros pode variar em mais de 50% de uma instituição financeira para outra, o que decerto caracteriza juros abusivos de veículo.

Fazer uma boa pesquisa de mercado é uma das formas mais eficazes de evitar cobranças abusivas de juros.

3 – Analise o Custo Efetivo Total da dívida presente no contrato – CET

Ao procurar fazer algum tipo de dívida bancária, comumente o consumidor tem acesso à taxa de juros nominal, que na verdade não representa com fidelidade o valor a ser pago no contrato.

O CET ou Custo Efetivo Total é a taxa de juros real cobrada, sendo ela que demonstra com mais clareza quanto o consumidor estará desembolsando.

O CET (Custo Efetivo Total) contém os juros correspondentes a todos os encargos da dívida, como taxa de administração em caso de imóveis, por exemplo, além das tarifas cobradas que podem estar embutidas no financiamento, encarecendo o montante do débito e indicando juros abusivos de veículo.

Dessa forma, analisar apenas a taxa de juros pode não ser a maneira mais assertiva de fugir dos juros.

4 – A taxa de juros do contrato deve ser igual ou inferior a Média Bacen

O Banco Central do Brasil divulga mensalmente a média de juros praticada pelo mercado nas mais diversas modalidades de crédito.

Quando o consumidor paga juros muito acima dessa média, certamente estará sofrendo cobrança de juros abusivos.

Portanto, um bom ponto de partida é saber a média de mercado dos juros antes de assinar o contrato.

Isso pode significar a diferença entre pagar juros abusivos ou não.

Como dar um basta nos juros abusivos de veículo após fazer o financiamento?

juros abusivos de veículoMuitas pessoas se enganam ao pensar que após assinatura do contrato de financiamento não é mais possível fugir dos juros abusivos de veículo.

A melhor forma de dar um basta em cobranças abusivas de juros é fazer a revisão do contrato.

Isso porque através da revisão da dívida, é possível combater a tirania bancária e trazer a redução dos juros, que em alguns casos podem diminuir o montante da dívida em até 90% do valor original.

Em primeiro lugar, para fazer a revisão é necessário comprovar os abusos.

Dessa forma, a elaboração de um laudo contábil pode identificar taxas abusivas e até mesmo taxas informadas incorretamente no contrato de financiamento.

Por incrível que pareça, é mais comum do que se pensa a identificação de taxas superiores às informadas no próprio contrato, beneficiando o credor e encarecendo o total do débito.

De posse do laudo, é possível iniciar a revisão da dívida, com negociações junto ao credor para redução do montante do débito.

Nesse momento é importante ao consumidor estar ciente quanto aos riscos de inadimplência, principalmente quanto a possibilidade de haver busca e apreensão do veículo.

Para saber tudo sobre busca e apreensão de veículos, acesse: O que é busca e apreensão de veículo?

Mesmo estando a dívida com atraso no pagamento de parcelas, a revisão do contrato é altamente indicada a fim de reduzir o débito em relação aos juros abusivos de veículo.

Quando o consumidor desconfia que pode estar pagando valores além do que deveria, pode iniciar a revisão.

Para saber se você esta sofrendo cobrança de juros abusivos, preencha o Cálculo Revisional Gratuito, e tire suas dúvidas com um consultor especializado.

Como funciona o contrato de alienação fiduciária e os juros abusivos de veículo

No Brasil, a Lei da alienação fiduciária para veículos prevê que no ato do financiamento, o credor pode mediante contrato de alienação fiduciária conceder um empréstimo tomando como garantia para o seu pagamento a posse do bem em caso de inadimplência.

Essa alienação visa uma diminuição da taxa de juros, uma vez que há um bem em garantia ao pagamento do débito.

Dessa forma, não pagar em dia as parcelas constantes do contrato de alienação fiduciária acarreta o direito ao credor de retomar o bem alienado.

Em suma, o credor pode ingressar com ação de busca e apreensão do bem alienado a fim de reaver o dinheiro que emprestou ao tomador.

Insta frisar que, no processo de busca e apreensão de veículo, faz-se necessário provar em juízo da alienação fiduciária, comprovando que o devedor esta em mora, ou seja, em atraso com o pagamento das parcelas, mesmo que esse atraso seja em decorrência de juros abusivos de veículo.

Essa comprovação pode se dar por meio de notificação extrajudicial, que poderá ser uma carta enviada ao endereço do devedor com o aviso de recebimento “AR”.

Uma vez comprovada a mora, a dívida inteira é considerada vencida e não apenas as parcelas que supostamente não foram pagas do contrato de alienação fiduciária.

É possível evitar a busca e apreensão?

Não é possível evitar que o credor ingresse com a ação de busca e apreensão, porém é possível evitar que o veículo seja apreendido, principalmente quando há cobrança de juros abusivos no contrato de financiamento.

Mesmo que exista atraso no pagamento das parcelas, é direito do consumidor revisar o contrato e pagar o valor justo pelo débito, inclusive se já consta processo de busca e apreensão de veículo em andamento.

Decerto que nesse momento, o credor já estará exercendo a cobrança vexatória e tentará a todo custo receber os valores devidos acrescidos de mais juros.

Assim, quando o consumidor efetua o cálculo revisional de sua dívida, descobre o valor real que esta sendo cobrado a mais pela dívida.

Apenas esse fato já é o suficiente para motivar o início da revisão de contrato.

Insta salientar que é fundamental ter uma assessoria especializada acompanhando o andamento do possível processo de busca e apreensão, vez que isso trará uma tranquilidade maior para que o cliente faça a capitalização necessária para quitar sua dívida durante o andamento da revisão de juros abusivos de veículo.

De acordo com a consultoria Reis Revisional, o valor médio obtido com a negociação da dívida gira em torno de 70%, podendo chegar em alguns casos a até 90% do débito.

Isso significa que o contrato pode ser quitado por cerca de 10% do valor devido, dependendo do caso e do montante de juros cobrados.

Em suma, estar com a parcela do financiamento em atraso pode fazer você perder o carro para o banco ou pode fazer você economizar muito dinheiro, desde que você tenha respaldo e assistência de quem entende do assunto, como a Reis Revisional, que é certificada pela norma ISO 9001 de qualidade e tem foco total na satisfação de seus clientes.

O primeiro passo para colocar um fim nos juros abusivos de veículo é lutar pelos seus direitos.

Publicado em Juros Abusivos
0 Comments

No Comment.