Juros Abusivos - Reis Revisional

Como acabar com as dívidas em 5 etapas

Juntar dinheiro e acabar com as dívidas está entre as promessas de ano novo mais frequentes, figurando entre um dos principais desejos dos consumidores que não resistem a uma promoção.

De fato, ter uma vida financeira saudável para realizar conquistas e sonhos como a compra de um carro ou a casa própria envolve mudanças de hábitos e comportamento, se tornando difícil de ser alcançada a curto e médio prazo.

Ser persistente e ter foco é a grande chave para realização dessas promessas, que entra ano sai ano, fazemos a nós mesmos.

Entretanto, uma pesquisa realizada pela “Strava”, uma rede social para atletas, revelou que 92% de quem fez promessas de ano novo desistem em até duas semanas.

Isso mesmo, quinze dias.

Como acabar com as dívidas, que muitas vezes são contraídas durante anos, se a maioria das pessoas não possuem paciência e persistência para reverter essa situação?

Um dos principais erros cometidos é gastar mais do que se ganha, se omitindo da responsabilidade de ser o único culpado por não conseguir sucesso em suas metas.

Realmente fazer sempre as mesmas coisas esperando resultados diferentes definitivamente não é a maneira mais inteligente para atingir objetivos, principalmente acabar com as dívidas, assunto muito delicado de ser tratado.

Tomar uma atitude e decidir mudar é responsabilidade de cada pessoa.

Essa é a única maneira de reverter a situação e acabar com as dívidas de uma vez por todas.

Abaixo listamos os principais motivos que fazem as pessoas continuarem endividadas, e que assim possam enxergar onde estão errando para reverter a situação e acabar com seus débitos.

Motivos que fazem as pessoas não conseguirem acabar com as dívidas

Ponto final nas dívidas

1 – Gastar mais do que ganha

Muitas pessoas atribuem o fato de acharem que ganham mal para continuarem se endividando e deixarem de lado a saúde financeira.

Na verdade, acreditar que ganha mal é um grande mito.

Existem famílias que possuem renda muito baixa, mas que não possuem dívidas justamente porque conseguem controlar e definir suas prioridades para jamais gastarem mais do que ganham.

Outro bom exemplo disso são as pessoas aposentadas, que muitas vezes não possuem outra fonte de renda e conseguem se manter longe de dívidas.

Entretanto, existem pessoas que vivem em um patamar acima de suas possibilidades, e para essas pessoas não importa o tamanho da renda, nunca vão conseguir acabar com as dívidas pois sempre gastarão mais do que ganham.

A ideia aqui é evitar trabalhar para pagar boleto.

Sempre haverão ofertas, produtos irresistíveis. A meta é não cair na tentação.

Dívidas bestas como trocar de carro ou comprar celular novo devem ficar bem longe de pessoas que querem colocar um ponto final em seus débitos

Além de perder dinheiro com parcelamento da compra, perdemos também com a depreciação do bem.

Não dever nada para ninguém, mesmo que isso custe algum conforto como ter que utilizar transporte público ou usar um celular já ultrapassado, é crucial para uma boa educação financeira.

Fatores emocionais estão diretamente ligados ao comprador compulsivo, justamente porque a baixa autoestima presente na pessoa age como se fosse um círculo sem fim: ela compra para ficar feliz, depois fica triste porque não tem dinheiro, aí tem que comprar outras coisas para se sentir feliz novamente, e assim vai.

Se a felicidade não mora em você, não é fora que você vai achá-la.

2 – Não focar na fonte de renda é um erro para quem quer acabar com as dívidas

O principal fator para se manter longe de dívidas é ter uma fonte de renda superior às necessidades de gasto.

Para isso toda pessoa deve ter em mente que deve se manter atualizada, se especializando em sua área para com isso ser valorizada e consequentemente ganhar mais.

Com uma renda maior é possível começar a pensar em investimentos que formarão um patrimônio, e que poderá ser utilizado em casos de emergência e imprevistos como doenças, por exemplo.

Quanto mais conhecimento útil, mais valor você vai gerar

Se especializar para que sua hora de trabalho valha mais e sempre separar dinheiro para investir em educação é a chave para acabar com as dívidas.

3 – Pagar Juros Abusivos em dívidas bancárias

 

Juros abusivos em dívidas bancáriasLigações de cobrança e a perda da paz de espírito. O dinheiro que deveria ser utilizado para investimento em seu patrimônio ou conforto vai inteirinho de bandeja para o banco.

Fazer renda extra ou se desfazer de algum bem que você tenha é um bom caminho para se livrar de uma dívida.

Entretanto, deixar de pagar juros abusivos é decerto a maneira mais inteligente de acabar com esse verdadeiro vazamento de dinheiro que destrói as finanças de qualquer cidadão.

O Brasil é recordista em cobrança de juros em contratos bancários como empréstimos pessoais, cartões de crédito, cheque especial e financiamento de veículos.

Mais de 90% dos contratos bancários possuem algum tipo de irregularidade que fere os direitos do consumidor.

Dessa maneira, fazer a revisão da dívida com um especialista na área pode trazer economia real de mais da metade do valor do débito.

Decerto que deixar de pagar juros abusivos ao credor é um dos grandes passos para conseguir quitar os débitos e acabar com as dívidas de uma vez por todas.

4 – Não ter paciência prejudica a vida de quem quer acabar com as dívidas

Colocar a casa em ordem, ou melhor, as finanças em ordem, é um processo demorado e que pode levar anos.

Dessa forma, não existe mágica. É necessário ter paciência, aliás, muita paciência.

Em suma, fazer o dever de casa hoje é uma obrigação, mas o segredo é sempre olhar lá na frente, com metas para dez, vinte ou até trinta anos.

Resolver as finanças de maneira rápida sempre acaba em ciladas que apenas atrapalham nossas vidas, como a cobrança de juros abusivos vista no item 3 acima.

As conquistas que virão após esses anos de dedicação dependem exclusivamente de você e de suas escolhas de hoje.

Parar de reclamar e agradecer pelas pequenas conquistas faz virar a chave para que possamos enxergar melhor as oportunidades que aparecem.

Ficar triste e se culpar pelos problemas e desafios em nada ajudará em acabar com as dívidas.

O segredo é focar naquilo que está ao nosso alcance resolver, e ter atitude positiva.

Afinal, quem gosta de ficar perto de gente “reclamona” não é mesmo?

5 – Deixar de investir no futuro

Ainda existe um forte preconceito de que investimento é apenas para pessoas ricas ou para quem tem conhecimento aprofundado no mercado financeiro.

Tudo isso é um grande mito.

Conquistar a capacidade de aportar todos os meses algum valor para formar um patrimônio é fundamental, mesmo que o valor seja pequeno.

Mas para isso, é necessário colocar em prática todas as demais dicas já descritas neste post.

Ou seja, se livrar das dívidas sem pagar juros abusivos, não gastar mais do que ganha, ter paciência e investir em sua qualificação.

Certamente que seguindo essas etapas e guardar um pouco de dinheiro todos os meses fará você ter resultados reais e finalmente acabar com as dívidas de modo que nunca mais precisará se endividar novamente.

Conclusão

Acabar com as dívidas é uma tarefa difícil sim, mas não impossível de ser conquistada.

Educação financeira exige dedicação diária e exercício constante contra hábitos e vícios que muitas vezes nos acompanham a vida toda.

Ter paciência é fundamental para atingir metas e objetivos, e todas as pequenas conquistas são importantes nessa jornada.

Por fim, parar de uma vez por todas com gastos supérfluos ou sem sentido, como cobranças de juros abusivos, é primordial para começar bem essa jornada.

Se você possui algum tipo de débito bancário, faça o Calculo Revisional e descubra se esta sendo mais uma vítima dos juros abusivos.

Economize e realize você também!

Publicado em Dicas
0 Comments

No Comment.

Desenvolvimento Web por beDigital.com.br